sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

Férias!

O Gatas de Botas está - oficialmente - de férias!
A todos que comentaram, leram, se divertiram e sofreram com nossos posts, queremos agradecer e dizer que contamos com o seu prestígio em 2008 com um Gatas de Botas reformulado e muito mais divertido!
Obrigada!

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Chris Cornell em São Paulo

Mesmo debaixo de uma chuvinha chata e persistente, os (muitos) fãs de Chris Cornell fizeram questão de comparecer ao único show do cantor em São Paulo. A pista do Credicard Hall parecia vazia, assim como as platéias superiores. Mas alguns minutos antes do show começar, os fãs atrasadinhos deram as caras e, praticamente lotaram a casa. As luzes se apagaram e demorou alguns minutinhos até que a estrela da noite colocasse os pés no palco. Ao som de Let me Drown, Cornell apareceu vestido com um blazer cinza, calça jeans e camiseta preta.

Depois de fazer muito barulho com a música de abertura, o ex-vocalista do Soundgarden e Audioslave cantou Outshined. Mas foi com o hit Show me How to Live que o público acordou de vez, seguido da trilha sonora de 007, You Know my Name. O já tradicional cover de Billie Jean não poderia faltar, assim como um dos últimos sucessos do Audioslave, Be Yourself. Sozinho no palco, Chris pegou seu violão e, iniciou uma “sessão acústica” com Getaway Car. Trechinhos de Call me a Dog e Preaching the End of the World também fizeram parte do momento “eu e meu violão” de Chris Cornell, assim como a indispensável Like a Stone. Doesn’t remind me marcou a volta dos outros integrantes da banda, com direito a um duelo entre Cornell e seu baixista.

A agitada Cochise, que revelou Audioslave ao mundo, levantou o público depois da sessão acústica, seguida de Loud Love, Arms Around Your Love e Fell on Black Days. Já se ouvia alguns fãs pedindo por um dos clássicos do Soundgarden, quando Chris e sua banda entoaram a obrigatória Black Hole Sun. What you Are e Rusty Cage terminaram o show. O público se levantou, aplaudiu e, claro, pediu um bis. As luzes se apagaram novamente, quando Cornell e sua banda voltaram ao som de Seasons, seguida de Burden In My Hand e Can’t Change Me. Trechinhos de Slaves and Bulldozers, Searching With my Good Eye Closed, 4th of July, Like Suicide e The End (The Doors) levantaram a platéia com direito a um samba improvisado pelo baterista. A apresentação acabou com Whole Lotta Love, do Led Zeppelin, muitos aplausos e “Thank You Very Much’s” de Chris Cornell. Nota 10.


Nota da Redatora: A performance de Chris Cornell é impecável. Assim como a aparência do cantor, ainda mais depois que ele arrumou os dentes.

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

Querido leitor

O fim do ano está - realmente - chegando e, como já dissemos, o Gatas de Botas sofrerá algumas modificações. Então, para que essas mudanças sejam mesmo para melhor, pedimos a sua opinião querido leitor. Não se acanhe e diga sem frescura o que pode fazer do Gatas o melhor blog de parceria 2008 (prêmio muito almejado pela minha blogmate, Alice Assunção).
Vamos lá, é hora de diversificar: dessa vez, a palavra está com vocês!
Atenciosamente,
A Redação

segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

New Year Resolutions

Eu me lembro que algum tempo atrás, 365 dias demoravam muito pra acabar. Mas hoje em dia, o tempo passa, a vida acontece e a gente mal percebe. É clichê dizer que temos que viver com intensidade, mas (in)felizmente é verdade. Aproveitar cada momento como se fosse o último – afinal, pode ser mesmo -, desfrutar ao máximo da companhia de quem a gente ama, sorrir, falhar, cair, levantar, chorar e poder dizer que a vida só é boa pra quem sabe viver.

Todo mundo sabe: fim de ano é época de repensar o que fizemos e deixamos de fazer, nos erros e acertos, nas dúvidas e certezas. Mas também é tempo de fazer planos para os próximos 365 dias e estabelecer as famosas resoluções de ano novo – mesmo que elas nunca sejam cumpridas. E é claro que nós, Gatas de Botas, não poderíamos deixar de fazer as nossas. Queremos novas editorias, um layout bacana e moderno, além de mais leitores e, acima de tudo, que essa parceria perfeita continue. E queremos também cumprir as resoluções de ano novo!


Nota da Redatora: E queremos muito que o Corinthians volte à série A. Afinal, 365 dias passam rapidinho!

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

Antes de sair da toca

Então é Natal, e amigo secreto também. Aproveite este fim de semana para comprar o presente do seu amigo. Que mentira, isso não vai acontecer. Todo o ser que respira e participa dessas coisas deixa para as últimas horas a escolha do presente.
Portanto, não adianta dar dicas de presentes muito elaborados e coisa e tal porque ninguém terá tempo para fazê-lo. Pensando nisso, antes de ir pra festa do sábado à noite ou o cinema do domingo à tarde, entre na Internet e peça o presente o seu amigo. Sim, peça!
É rápido, é prático e será de coração da mesma forma, além de ser muito bem-humorado.

Enquanto você espera sua irmã terminar de se arrumar ou sua amiga chegar para, juntas, baterem pernas por aí, gaste alguns minutos escolhendo o modelo mais engraçado de camiseta para o seu amigo secreto. Os temas vão de filmes ao comercial do cigarro de chocolate da Pan.
Antes de sair da toca este final de semana, visite o http://www.cumavirtual.com/camisetas.htm e fique de cuca fresca, sem se preocupar com o que você vai dar para aquele cara que você mal conhece e não pôde trocar o papelinho.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

Na série B é diferente!

Você costuma assistir aos jogos da série B?
É, aqueles clássicos tipo Remo x CRB? Não, né?
Pois bem, chegou
a hora de diversificar. Com o Corinthians na segunda divisão, as coisas vão mudar – e como. Tudo indica que a Globo já tratou de comprar os direitos de transmissão da segundona e em 2008 vamos ter o prazer de assistir clássicos tipo...Corinthians x São Caetano? Ponte Preta? Santo André?
Enfim, os sãopaulinos, palmeirenses, santistas de plantão não se livraram do Timão, de jeito nenhum. É Corinthians na série B, sim senhor, mas ainda na elite da audiência.
Então, chegou a hora de diversificar assistindo aos joguinhos da série B na TV!

terça-feira, 4 de dezembro de 2007

Policial Noel


Foto tirada hoje pela agência AP em uma das ruas de Manila, capital das Filipinas. A intenção do governo é, além de entrar no Natal de vez, aproximar policiais da população e também melhorar a visibilidade dos homens da Lei em lugares mais movimentados. Agora ficará muito mais charmoso prender um criminoso usando esse gorrinho: "Diga, filho, se comportou bem esse ano?

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

Eu canto pra te empurrar


Caímos, mas vamos levantar.
Se houvesse um campeonato entre torcidas, a Fiel, certamente, ganharia todos os títulos possíveis. Se o Corinthians foi incapaz de fazer uma boa campanha, a torcida corinthiana teve uma participação brilhante, capaz até de amenizar o rebaixamento do time à Série B.

O torcedor corinthiano não quer saber a opinião dos são-paulinos, dos santistas, dos palmeirenses e muito menos a dos gremistas. Quem é corinthiano de verdade se preocupa com a camisa do time, com os jogadores e com as problemáticas presidência e diretoria do clube.

Foi um ano difícil para os mais de 30 milhões de torcedores do Corinthians. Fomos alvos de chacotas, de torcedores medíocres que se preocupam mais com a gente que o próprio time.

Os time foi de mal a pior, em campeonato com mais de 30 partidas, o Corinthians ganhou apenas nove. Mas se teve alguém que mereceu aplausos, esses são os torcedores e torcedoras da Fiel.

Ao clube: Vergonha na cara, seus ingratos!
À torcida: o Corinthians caiu, mas vocês subiram no meu conceito. E isso não vai parar.

"Aqui tem um bando de louco, louco por ti Corinthians
Praqueles que acham pouco, eu grito por ti Corinthians
Eu canto até ficar rouco, eu canto pra te empurrar
Vamos, vamos, meu Timão
Vamos meu Timão, não pára de Lutar"

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Torcedora desesperada desabafa

Corinthians é um caso sério. Um caso sério de amor. E de ódio também.

Ser corintiano nos últimos tempos tem sido como nadar contra a maré. Os meninos se esforçam, jogam, tentam, mas a vitória não chega. Talvez, seja falta de sorte ou experiência. Quem sabe até excesso de vontade e inocência. Inocência de achar que tudo vai se resolver, porque corintiano tem mais é que sofrer.

Mas já basta de sofrimento e decepções. O que a gente quer é ver o timão vencer. Como já dizia Finazzi: “Não importa de quanto. Pode ser de meio a zero, está de bom tamanho”. E é disso que precisaremos domingo, contra o Grêmio no todo poderoso Estádio Olímpico. Fácil não vai ser, os corintianos já sabem. Mas estamos nos acréscimos da segunda etapa e a hora de reverter essa situação já foi há muito tempo.

No entanto, ainda há uma luz no fim do túnel. Felipe e Cia. não deixem ela se apagar: diversifiquem e vençam, pelo menos, o último jogo do campeonato. A fiel ainda acredita em vocês.

quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Vai ventar forte no Oscar


Como já era esperado, os homens de preto de Tropa de Elite vão subir o morro do Tio Sam na operação Oscar. Sim, em 2009, o longa de José Padilha irá concorrer às principais categorias e, quem sabe, trazer uma estatueta para Brasil.
Na premiação de 2008, o Brasil será representado pelo filme "O ano em que meus pais saíram de férias". A história do menino Mauro concorrerá à categoria de "Melhor filme estrangeiro".
Os estrangeiros gostam do Brasil, ficam espantados com a nossa pseudo alegria e coragem em meio a tantos desfavorecimentos. Eles enxergam romantismo nos retratos de miséria e atraso do grande e azarado povo brasileiro. Em 1999, o "Central do Brasil" ganhou o Globo de Ouro como "Melhor filme estrangeiro". Já na premiação do Oscar, no mesmo ano, a sorte não foi a mesma, mas tentamos.

Antes de chegar ao tapete vermelho

Enquanto não chega o dia da festa, os norte-americanos vão conferindo os dois excelentes longas. "O ano em que meus pais saíram de férias" estréia em solo americano em janeiro. "Tropa de Elite" ainda não tem data confirmada para estréia em 2008.
Tentemos imaginar a dublagem de "pede pra sair", ou talvez de "seu viado, seu maconheiro". Quem você gostaria que dublasse o capitão Nascimento?

terça-feira, 27 de novembro de 2007

Bom, bonito e barato

Só esse ano, The Killers, Arctic Monkeys, Bjork e mais uma cambada de gente importante passou pelo Brasil. Mas 2007 ainda não acabou e um dos últimos shows do ano fica por conta do – gatíssimo – Chris Cornell. Ex-vocalista do Soundgarden e Audioslave, Cornell se apresenta no dia 13 de dezembro, no Credicard Hall, para fechar o ano de seus fãs em grande estilo. É claro que os hits dos tempos de Audioslave estarão no playlist do cantor. What you are, Be yourself, Original Fire e, claro, Like a Stone não podem faltar.

A barulhenta e fofíssima Can’t Change me e as românticas como When I’m Down, Flutter Girl, Disappearing One e Pillow of Your Bones também devem ser ouvidas em alto e bom som. You Know My Name, trilha sonora de 007 – Cassino Royale, é faixa garantida do novo CD, Carry On. O já tradicional cover de Billie Jean também deve marcar presença no show de Chris. E tudo isso por, no máximo, 200 dinheirinhos. Bons motivos para ir ao show de Cornell não faltam. Por isso, não fique parado (like a stone) e diversifique! Prestigie o bonitão!

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Diz que sim!


Desculpa, mas fiquei até agora tentando encontrar um tema para escrever.


Respeitando o famoso ditado da mamãe: "quem fala demais não sabe ouvir", hoje é sua vez de escrever.


Me diz o que você tem achado do Gatas de Botas?

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

Esse samba é pra você, Cartola!

"À sorrir eu pretendo levar a vida. Pois chorando que eu vi a mocidade ...perdida", quem nunca cantou esse verso em uma roda de samba por mais perdido que estivesse?
Essa poesia cantada pertence ao mestre Cartola. Este sábado é dia de cantar, ou aprender, essa e outras jóias do comandante do samba de morro e fundador da segunda escola de samba do Rio de Janeiro, Estação Primeira de Mangueira.

O Salve Jorge, no centro de São Paulo, homenageia neste fim de semana o sambista e poeta Agenor de Oliveira, o Cartola. O grupo Pagode de Arruda nos levará à Manguera relembrando obras como As Rosas não Falam, Bem feito e Ensaboa.

Não é uma questão de gosto musical, trata-se de cultura brasileira. Se não gosta do gênero, vá pela história do mestre Cartola, que será exibida em telões com vídeos e fotos, e também pela alegria inegável que há em uma boa roda de samba, onde sempre cabe mais um reclamão, amigável, boemio, comportado, simpático ou tímido.

"Os tempos idos, nunca esquecidos, trazem saudades ao recordarÉ com tristeza que relembro coisas remotas que não vêm maisUma escola na Praça Onze, testemunha ocularE perto dela uma balança onde os malandros iam sambar" - Tempos idos (Cartola/Carlos Cachaça)


Salve Jorge - Praça Antônio Prado, 17 - Centro
Tel 3107 0123 - à partir dás 14h

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Beldades da sétima arte

Ver filmes e ouvir músicas é diversão pra muita gente. Mas venhamos e convenhamos que quando se trata de rostos bonitos e vozes suaves as coisas ficam muito melhores. Partindo desse pressuposto, o Gatas de Botas fez uma seleção especial com – apenas - três caras gostosos de se ver e ouvir.

Sempre sedutor

Jude Law está ficando careca, mas nem isso é capaz de deixá-lo menos bonito – porque feio ele jamais será. Como se não bastasse a beleza quase irritante, o inglês de 1.80 não deixa nada a desejar em matéria de atuação. Para conferir o(s) talento(s) de Jude Law, Closer e Alfie – O sedutor são ótimas opções.

Eterno Wolverine

Foi munido de garras e muito cabelo que Hugh Jackman apareceu para nós, reles mortais, na pele do perfeito Wolverine. O grandalhão arrancou suspiros das meninas e elogios dos fãs das HQ’s. Tá, ele ficou ótimo como o X-Men, mas seu charme de homem do século retrasado em Kate & Leopold e o jeitão de aristocrata assassino em Scoop são pratos cheios para apreciar a beleza de Jackman.

Depp, so deep!

Quem não lembra de Johnny Depp na pele do inocente Edward, mãos de tesoura? E interpretando o sedutor Don Juan? São inúmeros os papéis marcantes que Depp interpretou. O ator sabe – e muito bem – escolher o personagem que lhe cai bem, até de Willy Wonka ele ficou sexy. Johnny Depp é quase uma unanimidade entre os amantes da sétima arte. Bom e bonito, o ator conquistou uma legião de fãs – da qual nem Tim Burton ficou de fora. Para fugir um pouco dos clássicos de Depp, A Janela Secreta é uma ótima saída!

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Quem está falando a verdade?

Lidiane foi presa em flagrante por furto pela polícia de Abaetetuba, cidade a 137 quilômetros de Belém (PA). A jovem foi levada para delegacia e dividiu uma cela, durante 26 dias, com cerca de 20 homens. Exatamente isso, homens.

O problema maior não é Lidiane ter dividido um quartinho frio e úmido com 20 malacos. O que piora a situação do delegado Celso Viana, que ordenou a prisão, é que o Conselho Tutelar apresentou uma certidão na qual a menina está registrada com outro nome e, pasmem, com 15 aninhos.

O delegado afirma que a menina declarou ter 19 anos no momento do flagrante, embora não estivesse lá durante a prisão da, talvez, menor.

Viana justificou o fato de "Lidiane" ter ficado presa com homens poque não há mais de uma cela na delegacia de Abaetetuba. Essa informação demorou para chegar ao Judiciário, que só souberam dessas condições da presa há poucos dias.

Como souberam da indentidade Bourne da menina?

O oficial do Conselho Tutelar, José Maria Ribeiro, disse ter recebido uma denúncia anônima de que havia uma garota dividindo cela com 20 marmanjos. Segundo Ribeiro, a garota apresentava queimaduras de cigarro e hematomas no corpo. "Lidiane" disse que sofreu abuso sexual e já foi, evidentemente, submetida a um exame de corpo e delito. O resultado ainda não saiu.

O delegado Viana disse não acreditar que ela tenha sofrido abuso sexual, uma vez que a garota não fez nenhuma queixa aos agentes da carceragem! É evidente que ela abriria seu coração aflito aos homens da lei.

A Secretaria de Segurança Pública do Pará abriu procedimento disciplinar às corregedorias da Polícia Civil e do Sistema Penitenciário do Estado.
O delegado Viana vai precisar de um advogado, se não quiser ir para uma cela cheia de mulheres.


Texto com base na reportagem da Folha de S. Paulo

quarta-feira, 14 de novembro de 2007

Oops!

Desde que Britney Spears virou a princesinha do pop, correm boatos que ela adora um playback. No Rock in Rio aqui no Brasil, no comecinho de 2001, o show da cantora não deixou nada a desejar no quesito coreografias e trocas de roupas, mas no dia seguinte, jornais e revistas acusavam a princesinha de ter usado playback. Todo mundo sabe que a garota pode até ser afinada e tudo mais, mas cantar ao vivo rebolando e se revirando daquele jeito é quase impossível.

Porém, nos quase 10 anos de sucesso – e decadência – de Britney Spears, ninguém foi capaz de provar, de fato, que a cantora fazia uso do playback. Mas essa história acabou: o affair entre Britney e o playback foi confirmado! Nesse áudio, você escuta resmungos, suspiros, enfim, cagadas de Britney Spears durante o show Live from Las Vegas, em 2001.

A técnica é simples: a princesinha dubla suas próprias músicas e usa um micro-microfone que é ligado em momentos estratégicos para que ela se comunique com a platéia. Aquela coisa toda de “Are you guys feeling?” e “See you next time”. No entanto, essas verdadeiras “artes sonoras” vazaram e agora todos podem prestigiar os resmungos que Britney deixa escapar durante as dublagens. Seria cômico, se não fosse trágico! Mas gente que é gente, adora rir das desgraças dos outros. Sendo assim, divirtam-se!

Nota da redatora: Sabemos que há uma semana, o Gatas de Botas indicou o álbum de Britney Spears. No entanto, se a cantora, por acaso, fizer shows no Brasil, não diversifique. Opte pelo CD! É mais barato e a qualidade é bem melhor.

terça-feira, 13 de novembro de 2007

Ouça John Mayer

John Mayer é o típico amigo legal, que tem talento e merece fazer sucesso. E realmente ele está fazendo. O músico e compositor desenvolve o estilo mais agradável do pop-rock. Guitarras ritmadas, uso de metais --como na bela obra "Clarity"-- e voz suave, ora aguda, são elementos característicos de sua música.

Mayer gosta de Blues e fez sua fama de blueseiro nos bares de Atlanta, Geórgia. O timbre da guitarra em suas músicas lembra o som aveludado dos belos acordes de B.B King.

Em 2004, John Mayer começa a experimentar o ritmo do Hip Hop. Ele fez parceria com o não menos talentoso Kanye West, que produziu "Go", do bem-intencionado Common. Mayer também cantou a "Bittersweet", acompanhado das rimas de Kanye.

A parceria com representantes de peso do Hip Hop foi um degrau para se chegar às figuras do Blues. Em 2005, Mayer gravou com o já comentado, porém incansável, B.B King e com Eric Clapton.

Ele tem vocação para repaginar, ele é o garoto que traz algo novo e bom para a velha guarda do blues. Mayer também é bom em reinventar em outros estilos. Sua voz lembra a de Sting, do The Police, embora seja menos agoniada. E algo mais suave, que combina com as batidas curtas e densas da guitarra .

Diversifique e ouça John Mayer:

- Wheel
- George's Blues
- Home Life
- Something Missing
- New Deep
- Slip Screen Sadness

segunda-feira, 12 de novembro de 2007

Planeta Humor

O sábado finalmente chegou,mas você acorda com malditas dores estomacais e distúrbios intestinais. Daí, você pensa: como vou curtir o fim de semana enquanto minhas mazelas não passam? Da última vez que me senti assim, optei por ir ao cinema e assistir Planeta Terror. Confesso que não estava muito animada para assistir o filme que contava as já tão clichês histórias de zumbis malacafentos. Mas eu já deveria saber que a história não seria tão batida, afinal tratava-se de Robert Rodriguez e Quentin Tarantino.

Pipoca, refrigerante e luzes apagadas: a primeira coisa que apareceu na tela foi o bizarro Machette – alvo de muitas risadas. Depois disso, muito humor com direito à cenas sangrentas à la Kill Bill, e a participação especial de Stacey Ferguson – a Fergalicious. Em Planeta Terror, Robert Rodriguez encarnou exatamente o que podemos chamar de espírito de porco. As tiradas do diretor são incríveis, quase inacreditáveis! Quando saí da sala de cinema, estava bem melhor do que quando entrei. E comprovei que rir é mesmo o melhor remédio.

“Bem que mamãe disse...”

Nota da redatora¹: Se seus distúrbios intestinais forem muito descontrolados, opte pelo humor caseiro.
Nota da redatora²: Não se esqueça que o remédio só funciona em ótima companhia!

sexta-feira, 9 de novembro de 2007

Que engraçadinho!

Faça como o Dr. Sherman Klump, de "O Professor Aloprado", ou o Seinfeld e leve seus amigos para um daqueles pequenos shows de contadores de piadas. É possível e pode ser divertido. Rafinha Bastos contará histórias engraçadas no Teatro Corwne Plaza, na Frei Caneca, até o dia 1 de dezembro.
Reserve uma mesa só para os amigos e se divirta. Se os seus amigos são estudantes, poderão pagar 15 reais pelo ingresso. Agora, se você tem amigos experientes, já estabelecidos profissionalmente e não precisam de mamata para estudante avise-os que deverão pagar 30 reais.


Quem é Rafinha Bastos? Ele é faz o incrível comercial do Anador. Aquele rapaz de gravata e calça bege que dança no escritório para explicar à sua colega de trabalho que Anador é bom para dor de cabeça, dor nas costas e dor nos dentes. Ele também o comercial, já não tão legal assim, da loja de construção Leroy Merlin. Ele é o cantor.

Antes de ir ao show do Rafinha, faça um "test-laugh" com alguns vídeos dele. Entre no site
http://www.rafinhabastos.com.br/ e divirta-se.

É um programa de norte-americano que pode render bons momentos. Experimente, saia da toca e vá rir, ou não, com Rafinha Bastos.
(Com colaboração de Thyago Lemos, também piadista)

quinta-feira, 8 de novembro de 2007

Indie music

Já ouviu falar do Rooney?
Não, não é o Wayne Rooney, do Manchester United! Trata-se de uma b
anda norte-americana de indie rock. Apesar de ainda não serem considerados revelação ou um must da música, os meninos são uns fofos e fazem um som bacaninha. Em matéria de estilo, eles seguem os passos alinhados de Brandon Flowers, do Killers, com um Q glamuroso a la Brett Anderson, do Suede. A música é o que se pode chamar de um rock adolescente, com letras românticas e batidas leves.

A charmosa Blueside fez parte da trilha sonora de O diário da princesa e do seriado The O.C e é uma ótima pedida. Destaque para That girl has Love, If it were up to me e Daisy Duke. Em matéria de puro indie rock, os meninos do Rooney mostram a que vieram com a barulhenta Sorry sorry. Confira o Top 10 e divirta-se:

1. That Girl has Love
2. If it were up to me
3. Daisy Duke
4. Simply Because
5. I’m a terrible person
6. Stay away
7. Blueside
8. I’m shakin’
9. Popstars
10.Sorry sorry

Nota da redatora: o vocal do Rooney, Robert Schwartzman, é o bonitinho Michael Moscovitz de O diário da Princesa. Faz bem para o ouvido e para as vistas!

quarta-feira, 7 de novembro de 2007

Os filhos do General

A polícia de Brasília prendeu ontem um menino de 17 anos, acusado de matar o irmão mais novo. O rapaz confessou ter enforcado o irmão de 12 anos à pedido da irmã, de 13 anos, com quem mantinha um namoro.
Os três irmãos são filhos de um militar, que se casou pela segunda vez e teve a menina de 13 e o menino de 12. O mais velho é filho do primeiro casamento e veio morar com o pai e a madrasta recentemente.
Segundo a polícia, o crime foi planejado pelo rapaz e pela menina. Eles planejavam seqüestrar o caçula, pedir 45 mil reais de resgate e fugir com o dinheiro. O irmão mais velho acabou matando o menino em um matagal perto de casa antes mesmo de anunciar o seqüestro.
"Peguei uma fita de construção e matei. Ele só queria ser o filhinho do papai. Matei porque minha irmã pediu...Ela não acreditou que eu ia matar, aí eu matei".
Os dois irmãos da vítima se queixavam da atenção que o pai dava ao caçula, diziam que o irmão mais novo era o preferido.
Segundo a madrasta, o rapaz usava drogas, não estudava nem trabalhava. Os pais sabiam do relacionamento amoroso entre os dois irmãos.
O pai é um sargento e a família mora na área da reserva da Marinha, onde o corpo do menino foi encontrado.

Reflexos de uma sociedade doente, de pais omissos. Os piores crimes acontecem no quintal da Lei.


Texto com base na reportagem da Folha de S. Paulo

terça-feira, 6 de novembro de 2007

It’s still Britney, bitch!

Eu sei que não é fácil acreditar que Britney Spears ainda sabe (se é que um dia realmente soube) fazer música. Depois de tantos atropelamentos e passeios sem calcinha, a princesinha pop volta à ativa com Blackout, seu quinto trabalho de músicas inéditas.

O álbum começa com a dançante e já conhecida Gimme More, passando pelas agitadíssimas Piece of me e Radar, e termina com Why should I be sad?, a única faixa do CD que chega mais perto de ser uma baladinha. Heaven on earth traz o estilo oversexy de Britney 2007 mesclado com a doçura da menina que há quase 10 anos estourou nas rádios com o hit Baby one more time.

Eu não sou a primeira a elogiar Blackout. É impressionante, eu sei. Muitos foram pegos de surpresa pela “qualidade” do álbum, tanto é que a produção executiva assinada por Britney é motivo de dúvida. Porém, tudo leva a crer que, se na vida pessoal Spears é motivo de chacota, o lado artístico continua tinindo. A voz da loira/careca/morena continua a mesma, assim como os gemidos e resmungos.

Blackout não chega a ser um must da música, mas não é um “mustn’t”. por isso, diversifique e escute Britney Spears sem preconceito.

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

A degola já estava apertando

Melhor que a Copa do Mundo, miojo de tomate, trakinas e bolinho frapê Pullman é o Corinthians saindo da zona de rebaixamento. Eu sabia que o oasis não era uma miragem. A torcida corinthiana já estava quase desmaiando no deserto do Saara, mas o sol forte que bate na zona de rebaixamento não intimidou os torcedores do "curintia".
Finazzi, obrigado por nos tirar da degola! Sua mamãe lhe criou para ser macho.





Menino exibido
Lews Hamilton acabou de tirar sua carta na F1 e já vai publicar sua primeira biografia oficial. "Lewis Hamilton-My Story" será lançado hoje em Londres, o piloto estará lá para dar autógrafos e vender apenas dois livros por pessoa. O jovem vice-campeão da F1 conta sua trajetória em seus longos 22 anos de idade. A obra traz os capítulos "Primeira Vitória", "Primeiro Encontro" (com Fernando Alonso), "Respeito" e "Problema".
Muleque é igual em qualquer lugar do mundo, todos são afobados. Bem mamãe disse! Ele acabou de chegar, merecia, no máximo, a capa da Rolling Stone.

Dica para a semana: Aproveite as pessoas boas. Em tempos de insatisfação e fúria, olhe para as pessoas boas.

quinta-feira, 1 de novembro de 2007

Farofada!

Feriados não faltam no mês de novembro. Para aproveitar todos eles em grande estilo, você vai ter que economizar em algum. E acredite, é possível se divertir com os amigos sem gastar muito e, ainda, sair de São Paulo. A receita é simples: a famosa fa-ro-fa-da!

Ingredientes:

• Os melhores amigos
• Carro com gasolina
• Refrigerantes e salgadinhos pra comer no caminho
• Dinheiro para o pedágio e para um almoço gostoso em algum quiosque à beira da praia
• Trajes de banho e afins
• CDs e mais CDs para ouvir no carro
• Máquina digital

Modo de preparo:

Acorde bem cedo no feriado, pegue as coisas na geladeira, ligue o som do carro e, sem esquecer da mochilinha, acelere na estrada. Escolha a praia mais perto e barata, como por exemplo, a cidade de Santos. Chegando lá, estenda a toalhinha na areia, passe o protetor e curta o sol. Farofada bacaninha com direito à jogo de vôlei, porção de camarão empanado e uma praia gostosa!

Rendimento: um dia de muita diversão.

quarta-feira, 31 de outubro de 2007

A Copa do mundo é nossa


E a Copa do Mundo é nossa, mas e a taça? Como todo bom e comportado brasileiro, vamos no contentar com o que nos foi dado pelos tios ricos de todo o Mundo, pelo menos os jogos serão aqui.
A nomeação do país para sediar a Copa anunciada pela Fifa contou com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ministros e 12 governadores.
Durante a cerimônia , o ministro do Esporte, Orlando Silva Jr., disse que o Brasil é "uma pátria de chuteiras". Nelson Rodrigues que não se ofenda, mas pouquíssimos conseguem chegar a algum lugar com suas chuteiras.
Em um telão exibiram imagens da Copa de 50 ao som de muito samba e alegria. Afinal, o brasileiro vive em festa, vive sorrindo, por mais que não tenha um dente na boca. Também colocaram depoimentos de brasileiros, pessoas que mal sabiam falar. Pra quê fazer isso com a gente? Somos apenas o pobre brasileiro com muito orgulho e amor?
Sim, somos. O brasileiro gosta dessa marca, de ser lembrado apenas no Carnaval e no futebol. Agora fomos reconhecidos, vamos sediar a Copa de 2014, vem muita gente nos visitar. A Fifa realmente achou que merecíamos uma chance, mas já advertiu que terá de prestar atenção especial ao cumprimento da reforma nos estádios que, segundo a federação, não se encontram em estado adequado para a Copa.
Haverá um boom na geração de empregos, e certamente serão permanentes, como os gerados durante os Jogos Pan-Americanos. Empresários como Oscar Maroni, irão triplicar seu patrimônio.

As palavras de ironia não são contra o futebol e o meninos da seleção, a culpa não é deles. Aliás, eles conseguiram sair desse poço.
Estava no Estádio do Morumbi e ouvi o seguinte comentário: "Quantas mil casas vão deixar de construir para melhorarem os estádios para a Copa?"
O Brasil dos miseráveis, das crianças desnutridas, do desempregado e do analfabeto irá sediar a Copa de 2014. Não deixo de reconhecer que este é um evento histórico do qual eu vou fazer questão de participar. Mas não podemos nos deixar iludir. É apenas mais um agrado para nos desviar da realidade.

Veja o tamanho da reforma:

-- Arena Recife-Olinda: 45.500 lugares (a ser construído)
-- Arena Bahia, Salvador: 44.100 lugares (a ser construído)
-- Arena Zagallo, Maceió: 45.337 lugares (a ser construído)
-- Estrela dos Reis Magos, Natal: 65.100 lugares (a ser construído)
-- Orlando Scarpelli, Florianópolis: 41.700 lugares em 2014
-- Arena das Baixada, Curitiba: 41.375 lugares em 2014
-- Verdão, Cuiabá: 40.000 lugares em 2014
-- Morenão, Campo Grande: 44.355 lugares em 2014
-- Serra Dourada, Goiânia: 40.000 lugares em 2014
-- Vivaldão, Manaus: 40.550 lugares em 2014
-- Arena da Floresta, Rio Branco: 41.264 lugares em 2014.
-- Mangueirão, Belém; 43.788 lugares em 2014
-- Mané Garrincha, Brasília: 76.232 lugares em 2014
-- Mineirão, Belo Horizonte: 74.300 lugares em 2014
-- Morumbi, São Paulo, 66.952 lugares em 2014
-- Beira Rio, Porto Alegre: 60.000 lugares em 2014
-- Maracanã, Rio de Janeiro: 86.100 lugares em 2014

terça-feira, 30 de outubro de 2007

Hidden hits

Para você que já cansou de ouvir as mesmas músicas de sempre, o Gatas de Botas preparou uma lista recheada de hidden hits. As bandas escolhidas da vez foram os ingleses comportados do Keane e os norte-americanos despirocados do The Killers.

Pianinho, pianinho

Os ingleses do Keane estiveram no Brasil há pouco tempo e trouxeram aos fãs o melhor de suas músicas, sempre marcadas pelas belas melodias tocadas no piano e a voz calma e suave de Tom Chaplin. O hit responsável pelo estouro do Keane, Somewhere only we know, não deixa nada a desejar em matéria de musicalidade e tudo mais. Mas chega uma hora que enjoa, né? Do primeiro álbum, Hopes and Fears, o Gatas recomenda Bend and Break e This is the last time, que têm cara de uma linda manhã de domingo, perfeitas para relaxar. Já Under the Iron sea traz canções mais melancólicas, apesar das influências eletrônicas. Leaving so soon, Crystal Ball e Nothing in my way são ótimas para escutar e refletir.

Killing ones

Direto de Las Vegas, os garotos do The Killers aterrissaram em São Paulo no último domingo e botaram pra quebrar no TIM Festival. E quem pensa que os americanos só tem Somebody told me e Mr. Brightside de música boa, se engana. E se engana FEIO. Do primeiro álbum, Hot Fuss, é difícil “eliminar” sequer uma música. De Jenny was a friend of mine, passando por All these things that I’ve done e On top, terminando em Midnight show pode-se dizer que o CD é quase perfeito, trazendo baladinhas românticas e hits pegajosos e vibrantes. Em Sam’s Town, destaque para For reasons Unknown, Uncle Jonny e a fofinha Bones.

segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Quem espera sempre alcança

“Mas é claro que o sol vai voltar amanhã
Mais uma vez, eu sei
Escuridão já vi pior, de endoidecer gente sã”

Há apenas dois anos, o Corinthians levantava a taça de Campeão Brasileiro. Um time feito de estrelas como Carlitos Tevez, Roger e Javier Mascherano fazia a alegria da torcida com gols, vitórias e conquistas. No entanto, parece que há muito o time já não é mais o mesmo. A começar pelas estrelas que, aos poucos, perderam o brilho e deixaram o clube. Há praticamente um ano, uma equipe desmotivada e decadente, chamada Corinthians, entra em campo com o objetivo de vencer. E não vence. E agora, o que era esperança se tornou desespero e o objetivo não passa de obrigação.

Tempos difíceis para os corintianos. A cada rodada do campeonato, a decepção da derrota. A sensação de que tudo está perdido e a necessidade de acreditar em uma reviravolta. Vejo os são-paulinos, prestes a comemorar o segundo título brasileiro consecutivo, e não sinto raiva, tampouco inveja. Mas é tão difícil acreditar que o Corinthians não costumava lutar contra o rebaixamento. Lutava para ser o primeiro, o campeão, o melhor. Porém, a cinco rodadas do final, os ilustres “desconhecidos” que defendem o timão mostram que ainda existem motivos para acreditar. Verdadeiros guerreiros como Felipe e Finazzi enchem os torcedores de orgulho e esperança.

E ontem, em um Pacaembu totalmente alvinegro, a fiel torcida comemorou a vitória sofrida e merecida como a conquista de um campeonato. Eu confesso, não é fácil acreditar que as coisas vão voltar a ser o que eram. E talvez, nem voltem por um tempo. Mas ainda assim, continuo dizendo: Corinthians, minha vida, minha história, meu amor.

“Bem que mamãe dizia...”

sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Chegou o fim de semana

Saia da toca para:

* Pasmar com os efeitos especiais, principalmente com o do helicóptero, do musical da Broadway Miss Saigon. O espetáculo ilustra a história de um recruta norte-americano que, durante a guerra, se apaixona por uma menina vietnamita em meio à retirada das últimas tropas norte-americanas do Vietnã em 1975. É triste, é lindo, é romanesco.

* Comer comida japonesa no rodízio do Taki Sushi. Os saionarás se encontram na Avenida Cotovia, 350, em Moema, e cobram 24,90 por pessoa.

* Assistir e participar dos números de seis campeões mundiais de ilusionismo na International Magic Festival. As varinhas mágicas te esperam neste sábado (27) e domingo (28) no Teatro Shopping Frei Caneca. Ingressos pelo
http://www.ingressorapido.com.br/.

* Manjare una pasta na Tappo Tratoria. Coma bem por 50 reais na Rua da Consolação, 2.967

Ou fique dentro da toca e chame os amigos para fazer mini-pastéis. Você não irá se arrepender de abrir essa pastelaria!

Révi a naice uiquende!

quinta-feira, 25 de outubro de 2007

Allen Pós-moderno

Já ouviu falar de Allen Stewart Konigsberg? Não? Mas é claro que já, afinal, quem nunca viu a cara de bom velhinho de Woody Allen?


Os filmes do brilhante cineasta norte-americano são obrigatórios para os amantes da sétima arte. A Rosa Púrpura do Cairo e Melinda e Melinda são apenas dois clássicos do diretor e ator que não dispensa as já tradicionais aparições fantasmagóricas, tiradas irônicas e, atualmente, a bela Scarlett Johansson.

Atualmente, o diretor está trabalhando na Espanha, nas filmagens do próximo longa, Midnight in Barcelona. Para o novo projeto, Allen roubou a queridinha de Almodóvar, Penélope Cruz, e conta também com Scarlett, sua mais nova musa que repete a parceria pela terceira vez consecutiva.
Agora, prepare o sofá e a pipoca e se divirta com as dicas do Gatas de Botas.

Match Point

Traição, suspense e drama é o que não falta em Match Point. Jonathan Rhys Meyers interpreta Chris, um tenista profissional irlandês que é acolhido no seio de uma família de alta sociedade inglesa e acaba casando com Chloe, a herdeira. No entanto, Nola Rice, a noiva de seu cunhado, faz questão de seduzí-lo e o leva a cometer erros que jamais serão revertidos. Filme para ficar de olhos bem atentos do começo ao fim.

Scoop

Para quem estava com saudades das cômicas atuações de Allen, essa é uma bela oportunidade para acabar com isso. Scoop é marcado pela volta de Allen como ator, o que não acontece desde 2001, em Escorpião de Jade. O cineasta interpreta o mágico Splendini, quem dá início a tudo ao chamar Sondra, vivida por Scarlett, para participar de um número de seu espetáculo. Durante o número, ela acaba se deparando com o fantasma de um repórter que lhe dá as informações necessárias e pede que ela desvende o caso do Assassino do Tarô. A moça, obstinada, vai até o Peter Lyman, um aristocrata britânico e o principal suspeito. No meio de tanto mistério, Sondra se apaixona e fica cada vez mais difícil saber se Lyman é quem ela pensa ser ou quem ela quer que ele seja. O que era pra ser uma história de amor vira uma trama cheia de nós e suspense.

quarta-feira, 24 de outubro de 2007

Leite com soda, a nova mania de Minas


Leite causa queimação do estômago, e com soda cáustica o dano é ainda maior, mas isso não preocupa os produtores de uma cooperativa de Minas Gerais. Sim, o presidente da Coopervale (Cooperativa dos Produtores de Leite do Vale do Rio Grande) admitiu, em depoimento prestado à polícia de Uberaba, que os produtores turbinavam o leite longa vida integral com soda cáustica.
Não só a Coopervale como ou uma outra cooperativa chamada Casmil também coloca porções mágicas no leite, agora vida curta, para deixar o líquido branco mas encorpado e estender o seu prazo de validade.

Estende-se o prazo para vencimento e diminui a validade de bom estado do estômago dos mineiros, que à essa altura já estão sentindo a corrosão de sua mucosa intestinal. Outro ingrediente bastante usado que dá um gostinho de "quero mais" é a água oxigenada. Esse produtores pensam em nossa saúde e no nosso visual também. Enquanto tomamos o leitinho quentinho podemos já perceber algumas mechas do nosso cabelo mais louras.

A polícia mineira já prendeu 27 acusados de adulterarem o leite. As duas cooperativas produzem uma média de 400 mil litros da delícia por dia. Imagine como seria um doce de leite com um leve toque de soda cáustica, ou aquele queijinho branco mineiro mais firme e com um gosto um pouco mais acentuado.

O delegado responsável pela investigação se chama Ricardo Ruiz, da Polícia Federal de Uberada. Certamente, esses fazendeiros serão punidos por tentativa de transformar mineiros em Frankensteins.

terça-feira, 23 de outubro de 2007

Europe is my playground

Se está chovendo ou estamos com preguiça, a primeira coisa que pensamos é: vou alugar um filme. Mas a próxima sessão não será qualquer filme, não. Diversifique e prestigie o cinema europeu, o que há de melhor na sétima arte. Está na hora de deixar de lado as comédias água-com-açucar para assistir um filme Cult, sim?

Fale com ela
(Hable con Ella, 2002)

Vencedor do Oscar de Melhor Roteiro, Fale com ela ganhou espaço no hall das grandes obras de Pedro Almodóvar. E não é à toa. O filme narra a história de amor e amizade de dois homens que têm suas amadas em um leito de hospital. Benigno é enfermeiro de Alicia, que está quatro anos em coma e o jornalista Marco vela por sua amada, a toureira Lydia. A fotografia do filme não deixa nada a desejar, assim como a trilha sonora, que traz canções brasileiras e inclui um “show” de Caetano Veloso no próprio longa. Fale com ela é sensível e mostra a verdade sobre o amor puro e incondicional.

Bem me quer, mal me quer (À La Folie...Pas Du Tout, 2002)

Se você gostou de Audrey Tautou na pele da fofa Amelie Poulain, essa é uma boa desculpa para assistir Bem me quer, mal me quer. O filme conta a história de amor de Angélique, interpretada por Audrey. Além de jovem, bonita e talentosa artista plástica, Angélique é apaixonada pelo médico Loïc, um homem casado que jura não ter nenhum envolvimento amoroso com a artista. Angélique sofre ao ver Loïc com a esposa, mas mesmo assim, alimenta as esperanças de que um dia ela e o médico irão se casar. O que era para ser um filme de amor se torna uma trama cheia de surpresas, que conta com a ótima atuação de Audrey, que da doce Amelie não tem nada em Bem me quer, mal me quer.

segunda-feira, 22 de outubro de 2007

Sorria para o teu inimigo!




"Não odeie seus inimigos, isso pode atrapalhar o seu raciocínio", esta sábia frase foi dita pelo imortal Michael Corleone ao seu sobrinho Vincent Corleone em uma das cenas da jóia "O Poderoso Chefão - Parte III".
Não foi minha mamma que disse, mas ela estava presente no momento da cena e concordou. Só mesmo o poderoso chefão para dar um conselho desse quilate. Sim, tem que ser muito macho para raciocinar sobre os seus inimigos sem a raiva, a ira e sem ficar babando feito um cão louco. Mas é possível.
Pense em quantas ações contra o seu inimigo você se saiu quando deixou a emoção falar mais alto. Certamente, bem poucas.
Só podemos usar nosso coração quando tratamos alguém que amamos. Teu coração é precioso demais para que o desafortunado do teu advesário chegue até ele.

Don Vito Corleone, o grande patriarca, nos ensina a tratar o inimigo como um mero empecilho, sem levar para o lado pessoal. É claro que não é assim que acontece em 99 por cento das vezes, mas se tratássemos aquele cara que nasceu para miar a nossa festa como um empecilho que precisa ser removido, faríamos um trabalho de extermínio muito bem feito, com a cabeça fria. Porque como já dizia minha mãe, quando a cabeça não pensa o corpo padece. E padece mesmo porque ficamos nervosos, tomados por uma ira tamanha que chega a responder pelo nosso corpo em dores de cabeça, crises de asma e sem contar a auto-mutilação por meio de mordidas na mão, puxões dos nossos próprios cabelos. Tudo isso são meios de extravasar a nossa raiva enquanto nosso inimigo fica às favas de mel.

Não deixe o verme insignificante do teu inimigo fazer você perder um dos seus bens mais preciosos, a sua inteligência.

Bem que mamãe e Michael Corleone disseram...

sexta-feira, 19 de outubro de 2007

Thai refeição

O fim de semana está aí e nada melhor do que conhecer lugares novos e comer bem. Para juntar as duas coisas, o Thai Gardens oferece o que há de melhor na culinária tailandesa. O menu é elaborado pela chef Tasanai Phian-o-Pas que já cuidou APENAS do banquete do rei da Tailândia. Exótico no ambiente e no cardápio, o restaurante é ideal para ir com os amigos – as grandes mesas redondas não deixam faltar espaço - ou a dois.

A grande atração da casa é a escultura de vegetais e frutas, arte milenar que resulta em uma mesa linda e saborosa. Porém, é bom tomar cuidado com as pimentas. O esquema por lá é diferente, pois o restaurante serve as deliciosas receitas no Royal Thai Buffet, que tem cerca de 20 pratos, desde entradas até sobremesas. Além das especialidades com carnes bovinas e suínas, aves e frutos do mar, o Thai serve também os pratos vegeterianos.

O ambiente segue o mesmo padrão das unidades em Madri, Barcelona, Cidade do México e Casablanca – isso mesmo, o restaurante é internacional! O cenário parece mais um templo tailandês, com direito a estátuas e decoração em madeira. A dica que fica é: só vá ao Thai Gardens no dia do pagamento, porque apesar da comida ser apimentada, o preço é bem salgado!


Av. Nove de Julho, 5871

quinta-feira, 18 de outubro de 2007

Diversificaram o Capitão América



Diversificaram o Capitão América. Sim, o lado super-herói de Steve Rogers, personagem da Marvel, vai mudar um pouco o seu guarda-roupa. Aquelas cores ultrapassadas da bandeira dos Estados Unidos já não são mais tendência.

O super-herói adotou um tom mais sóbrio, o preto. Suas botas não serão mais vermelhas, serão pretas, assim como a calça. Mas o estilista do Capitão América fez questão de manter o escudo, com círculos vermelhos e um estrela bem no meio. A máscara e a parte de cima do look continua azul e vermelha, só que ganhou uma textura metalizada. Uma coisa mais fashion.

Para quem não se lembra, o Capitão América surgiu durante a Segunda Guerra Mundial e foi um dos maiores representantes do patriotismo norte-americano. É a história de um rapazote que queria muito defender a América na guerra, mas era frangote demais para lutar pela imaculada bandeira norte-americana.

Roger ficou arrasado, encarava qualquer patifaria para sapecar os inimigos dos EUA na guerra. O rapaz ficou fanático a ponto de entregar seu corpo para um bando de soldados norte-americanos, que mais pareciam médicos alemães, fazerem um experimento que deveria resultar em soldados superiores.
Juntaram a farinha, os ovos e a manteiga e nasceu o Capitão América.

Esse super-herói é antigo, mas vai voltar com força de lançamento. O novo visual tem data marcada para estrear, em janeiro de 2008.
Não há momento melhor para o patriota Capitão América aderir ao pretinho básico. Uma forma de demonstrar luto, e não vão achar que é pelas vítimas da Segunda Guerra.

Capitão América diversificou tanto no visual quanto no inimigo. Depois de derrotar nazistas, agora ele vai correr atrás do Bin Laden!

quarta-feira, 17 de outubro de 2007

Mostra, mostra, mostra!

Os culturetes de plantão já podem se preparar – e preparar o bolso também – para prestigiar a 31ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. O evento começa amanhã com a exibição do esperado O Passado, do brasileiro Hector Babenco, no auditório do Ibirapuera. Depois disso é só alegria. Filmes como Império dos Sonhos, do aclamado David Lynch, Lust, caution, do vencedor do Leão de Ouro Ang Lee, e A prova de morte do sempre ótimo Quentin Tarantino serão apenas algumas das mais de 400 opções de filmes.

A 31ª Mostra vai contar com a ilustre visita de Gael Garcia Bernal, para a divulgação de O Passado, Sonhando acordado de Michel Gondry e Déficit, que marca sua estréia como diretor. É filme que não acaba mais, para todos os gostos e idades.

Para ver na mostra

O Passado – Hector Babenco

O Passado conta a louca história de Rimini (Gael García Bernal), que se separa de sua mulher, Sofia (Analía Couceyro), após 12 anos de relacionamento. Se sentindo abandonada, Sofia comete loucuras e estraga todas as chances que Rimini tem de começar uma nova vida. Babenco não poderia ter feito escolhas melhores ao optar pelo casal Gael García e Anália Couceyro. Tragicômico, O Passado não deixa nada a desejar em matéria de originalidade e sensibilidade.

Viagem a Darjeeling – Wes Anderson

Os irmãos Whitman não se vêem há um ano, desde a morte do pai. O mais velho, Francis, aposta que uma “viagem espiritual” pela Índia seja capaz de resgatar o amor fraterno e trazer autoconfiança para os três irmãos. Depois de causar inúmeros problemas no trem que os levavam a Darjeeling, eles são expulsos e acabam se perdendo pelo país. Quando a intolerância e impaciência entre os três já estão dominando, uma série de acontecimentos os obriga a resgatar o já esquecido amor fraterno. Destaque para a trilha sonora que, ora te faz sentir em plena Índia, ora expressa o sentimento mais nobre que existe entre os irmãos. Pra rir e chorar com os brilhantes Adrien Brody, Owen Wilson e Jason Schwartzman.

http://www.mostra.org

terça-feira, 16 de outubro de 2007

Festa!



Alegria, alegria. Esse é a principal nota para as músicas de Mica Penniman, o Mika. O rapaz é talentoso, cheio de graça, mas de muita graça. O gênero musical é Queen muito bem repaginado. Um cantor que lança um álbum chamado "Life in Cartoon Motion" deve achar a vida muito divertida mesmo. E pela leitura de Mika, é sim. Ouvir a música "Grace Kelly" é liberar os gestos mais simples, dançar como criança e fazer guerra de travesseiros. Música para entusiasmar.
A "Love today" é para um sábado de manhã com os amigos. É um universo infantil para adultos.

Mika nasceu em Beirute, Líbano, mas logo rumou à Paris por causa da intensificação do já conhecido conflito na região. Parisiou por alguns anos e então seguiu, com sua mãe e seus quatro irmãos, para Londres, depois que seu pai foi raptado no Kwait durante a Guerra do Golfo.

Essa herança de Oriente Médio transformou Mika em um homem-bomba. Ele vem explodindo cores, luzes e sorrisos. A capa do "Life in Cartoon Motion" lembra o clipe de Lucy in the Sky with Diamonds, dos Beatles. Mika ainda brinca de "Onde está Wally" na capa do seu álbum. Resta encontrar.

É música bem arranjada. Mika canta gostoso, grita bonito.

A onda se divirta com Mika veio em seguida da vibe caia na gandaia com Scissor Sisters. Essa banda é enérgica, é aquela que manda você colocar um brilho, plumas e dançar fatalmente. Pelo nome da banda, já podemos perceber que não é uma coisa tão inocente e meramente alegre. Scissor Sisters é uma alusão ao lesbianismo, "Irmãs Tesoura".

O visual da banda é arco-íris, lantejoulas e cabelo ao estilo George Michael. A melhor caricatura do Scissor Sisters é Ana Matronic, a vocalista e única mulher, aparentemente. Braço tatuado, cabelo ruivo ora curto, ora comprido. Olhos bem marcados, boca brilhante. Vestidos e sapatos trazidos da Terra do Nunca de Peter Pan.

Se o visual é de festa, a música é mais ainda. Excelente para dançar com as amigas e as monas!

Diversifique, seja alegre!

segunda-feira, 15 de outubro de 2007

Osso duro de roer

Eu, particularmente, nunca botei fé no cinema nacional. Sempre achei que filmes mais bem sucedidos como Central do Brasil, de Walter Salles, e Cidade de Deus, de Fernando Meirelles, só mostravam o lado pobre, violento e sujo do nosso país através de um drama pra lá de piegas. Eis que surgiu um filme que, à primeira vista, não chamou minha atenção. Talvez pelo tema, talvez pela "politicagem". Mas de tanto ouvir as pessoas falarem, acabei curiosa.


Depois que assisti Tropa de Elite, fiquei convencida de que o filme era sim, "tudo isso". O diretor José Padilha escreveu um ótimo roteiro em parceria com Rodrigo Pimentel, ex-capitão do BOPE. Sem esquecer a atuação brilhante de Wagner Moura - que ficou um charme de Capitão Nascimento - e Caio Junqueira. Resultado é que Tropa de Elite é filme que prende do começo até o fim.


Logo que Tropa de Elite chegou às bancas dos camelôs, eu fiz uma matéria sobre o filme e a polêmica. Foi quando descobri que José Padilha havia se destacado no universo cinematográfico com o documentário Ônibus 174, que eu havia assistido e gostado - e olha que abomino documentários. Com o belo trabalho em Tropa de Elite, Padilha é um forte candidato a se tornar meu diretor brasileiro favorito - e olha que não curto diretores brasileiros.


É lamentável que grande parte do sucesso estrondoso de Tropa de Elite (quase) só aconteceu por causa do escândalo da pirataria. O que a gente espera é que as produções cinematográficas brasileiras se espelhem no belo trabalho de Padilha e sua equipe para produzir filmes tão bons quanto Tropa de Elite. Nunca gostei das produções brasileiras. Mas sempre escutei que deveria valorizá-las. Então, a partir de agora, de olho no cinema nacional. "Bem que mamãe disse..."

quinta-feira, 11 de outubro de 2007

Lounge

Tem horas em que não existe nada melhor do que deitar e relaxar ao som de músicas no melhor estilo lounge. Melodias suaves, delicados arranjos vocais e letras românticas formam uma das melhores combinações, prova disso é o Mandalay. Nicola Hitchcock, a vocalista, não deixa nada a desejar em matéria de afinação e originalidade. A voz aguda da cantora combina, com perfeição, a delicadeza e emoção.

As músicas do Mandalay são perfeitas para ouvir a dois. Canções como Beautiful, Opposites e This time last year inspiram os apaixonados e trazem um clima pra lá de romântico. Kissing the day traz batidas um pouquinho mais fortes, mas o romantismo continua a flor da pele. O toque de ousadia fica por conta da quase sexy All my sins, com melodia diferente das outras e letra provocativa. Os fãs de bandas como Portishead e os adoradores do estilo lounge devem dar uma chance ao Mandalay. É pra ouvir e se apaixonar.

Top 5:

1. Beautiful
2. All my sins
3. Kissing the day
4. Opposites
5. This time last year

quarta-feira, 10 de outubro de 2007

Jack Bauer vira disciplina de faculdade




Jack Bauer e suas 24 horas têm muito a ensinar para os alunos de uma universidade dos Estados Unidos. A partir de 2008, a série "24 horas" vai virar disciplina para os alunos de direto da Universidade de Georgetown, em Washington. Agora, esses alunos terão de passar os fins de semana estudando para passar na prova da disciplina "A lei de ' 24 horas'".

Quem tirou a saga de Jack, vivido por Kiefer Sutherland, das telas e levou para a sala de aula foi o professor Gary Sharp. Este é certamente um professor dos sonhos de qualquer acadêmico.

"Certa noite, assistindo ao programa, percebi que ensinar o direito contraterrorista no contexto dos temas levantados por "24 Horas" seria uma forma divertida de abordar as questões sérias e sombrias que todas as democracias enfrentam na batalha contra a ameaça global de terrorismo", contou Gary em entrevista à Folha de São Paulo. Sim, ele falou sério.

Gary é, sem dúvida, um exemplo de arrojo em matéria de aula. É verdade que vemos muitos professores trazerem documentários e filmes que rendem uma boa discussão em sala. Agora, transformar uma das séries mais vistas no momento em disciplina é realmente para tirar 10 de média!

Gary pensou em tudo. As aulas vão começar em janeiro, mesmo mês em que se inicia a sétima temporada da série. O dia da aula será terça-feira, para aproveitar a discussão do episódio exibido na noite anterior.

Qual série as faculdades brasileiras poderiam adaptar para uma disciplina? A Grande Família? Diarista? Toma lá, Dá cá? A Turma do Didi?
No mínimo improvável.

terça-feira, 9 de outubro de 2007

Som de camurça

As batidas são fortes, o som da guitarra é marcante e se o sotaque britânico já é tão característico, a voz de Brett Anderson não deixa que os arranjos vocais caiam na mesmice. The London Suede contribuiu, e muito, para o início do movimento Britpop, se tornando uma das mais importantes bandas dos anos 90. O primeiro single, “The Drowners”, apresentou a banda ao mundo e, de cara, conquistou apreciadores da boa música dos britânicos. “We are the pigs”, “The Wild Ones” e “New Generation”, do album Dog Man Star, trazem letras e melodias melancólicas, suaves, “cinzas” como Londres.

Em Coming up, o terceiro álbum, o Suede volta com músicas mais dançantes e batidas que contagiam. “Trash” e “Lazy” não deixam mentir. Head Music revela um novo Suede que conta com diferentes efeitos eletrônicos, como em “Electricity”, “She’s in fashion” e “Can’t get enough”. A melancolia do álbum fica por conta da reflexiva “Everything will flow”. Em 2002, a banda lançou o último álbum, A New Morning, que mostra um Suede mais maduro em canções como “Positivity” e “Lost in TV”. Em 2003, os ingleses lançaram o último single, “Attitude”.

Mais recentemente, Brett Anderson e Bernard Butler (ex-integrante do Suede) se reencontraram ao formar o The Tears. Apesar da qualidade e o estilo serem quase o mesmo do passado, eles não fizeram nem metade do sucesso do bom e velho Suede. A banda inglesa, certamente, traz o melhor do britpop enquanto Brett Anderson combina, como ninguém, glamour e attitude. Portanto, se estiver na fossa, escute Suede. Se quiser dançar, escute Suede. Se quiser apreciar uma boa música, definitivamente, escute Suede. Indiscutivelmente bom, indiscutivelmente indispensável.

segunda-feira, 8 de outubro de 2007

Matei minha fome!



HaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHa
HaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHa
HaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHa
HaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHa
HaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHa
HaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHa
HaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHaHa
Gargalhadas para o São Paulo Futebol Clube. Que belo "cala a boca" não acha, líder do campeonato?
Bem que mamãe disse, é de onde menos espera que vem o bote!

sexta-feira, 5 de outubro de 2007

Fim de semana verde

Não existe nada como estar em contato com a natureza, as árvores, o cheirinho de terra, o barulho dos vendedores ambulantes e a correria das bicicletas e patins. É isso mesmo! O parque do Ibirapuera mescla a paz que só a natureza pode proporcionar com a diversão e adrenalina das atividades físicas.

Para os aficionados por esportes, o espaço para a prática de diversas modalidades é enorme. Desde o velho futebol até a remota peteca. Sem esquecer das bicicletas, patins, patinetes e afins, esportes mais comuns no parque. Os mais românticos contam com o gramado à beira do rio (fedido) para fazer o tradicional piquenique e namorar à vontade. As mulheres sempre adoram.

Por isso, em um dia de sol, junte os amigos e vá passear no Parque do Ibirapuera. Afinal, não tem desculpa. Não há quase nada que não se pode fazer dentro desse pedacinho de natureza que existe em São Paulo. Esqueça o shopping, cinema e a balada por apenas um fim de semana. Saia da toca e curta a natureza.

quinta-feira, 4 de outubro de 2007

Vamos pra feira?



Que venha o sol para este domingo, e que você troque a macarronada da Nona por uma agradável tarde em um feira de artesanato com direito a sorvete de massa de cajá. Sim, esse lugar fica há 30 minutos de São Paulo, mas mesmo tão perto da nossa bela metrópole, é possível ver charretes, redes e sentir aquele cheiro maravilhoso de esterco de cavalos, bois e vacas.

Há mais de 30 anos, o município de Embu das Artes sedia uma gigantesca feira de artes e artesanato com mais de 400 expositores bem no coração do pequeno centro comercial da região. Lá nós encontramos quadros, esculturas de madeira e bronze, chinelas, colares e badulaques, brinquedos de madeira, bonecas de pano, fantoches e gringos com insolação, praticamente.

Além dos utensílios domésticos elegantemente rústicos, também nos deparamos com objetos de decoração que só poderíamos encontrar na Bolívia, por exemplo. Os mais de 30 antiquários do Embu das Artes nos permitem voltar no tempo, embriagadas no cheiro bom da madeira tratada. O silêncio dessas lojas age como sonífero. A mágica acontece quando, depois de andar o dia inteiro subindo e descendo pela feira, você entra em um desses antiquários para testar os sofás. É tudo muito calmo e geralmente aparece algum gato, que pertence ao dono da loja, para deitar bem na sua frente, fechar os olhos e começar a ronronar.

As cômodas, mesas de jantar, cadeiras, tudo encanta!

Bom, como estamos trocando o macarrão da Nona, temos que trocar por uma refeição igual ou melhor. E neste caso, as especialidades com carne do "Patacão" e o leitão à pururuca da "Cabana do Embu" são melhores.
Há também as opções para aqueles que vão em turma tomar uma cerveja debaixo do sol provocador de câncer de pele do Embú. Para estes, há inúmeras bodegas tentadoras concentrada bem no centro do município.

Bom, coloque gasolina no carango e rume para um domingo bem quente e divertido. A melhor maneira de chegar é pela Rodovia Régis Bittencourt (BR 116). É possível acessar a Régis pela Marginal Pinheiros, pela Rodovia Raposo Tavares ou pela Avenida Francisco Morato.

Diversifique e vá conhecer a feira do Embú das Artes!

quarta-feira, 3 de outubro de 2007

Nem o Coppola escapou

Se está pensando que só você é vítima de assaltos e violência está enganado. O diretor Francis Ford Coppola, de O Poderoso Chefão, teve seu laptop pessoal roubado na última semana. A sorte é que o cineasta não estava presente na hora em que um grupo de pessoas armadas levaram o notebook que continha rascunhos do roteiro do próximo filme, o "Tetro", e todos os backups. Agora, Coppola está oferecendo recompensa generosa para quem encontrar seus pertences. Alguém se habilita?

Francis Ford Coppola - O retorno

Longe do cinema desde 1997, Francis Ford Coppola está pronto para voltar em grande estilo. No próximo dia 27, estréia nas telonas "With without youth", mas não pára por aí. O cineasta está na Argentina se preparando para filmar o próximo longa que deve estrear apenas em 2009. "Tetro" conta com Matt Dillon, de Crash, no papel e principal e há rumores que o aclamado Javier Bradem, de Mar adentro, interprete o vilão da trama. Agora é só esperar. Mas é fato que, com ou sem laptop, só se pode esperar muito de Francis Ford Coppola.

Os Coppola
Enquanto os filmes não estréiam, fica a dica para ver e rever algumas produções da família Coppola:

Poderoso Chefão: Clássica, a trilogia é obra obrigatória para os cinéfilos de plantão. Poderosos Chefão é uma adaptação do livro de Mário Puzzo e conta a história da família Corleone e o modo como eles administram os negócios ilegais que trazem lucros em Nova York. Vencedor de 3 Oscar, Poderoso Chefão conta com as brilhantes atuações de Marlon Brando e Al Pacino.

Encontros e desencontros: Parece que o talento é de família, por isso não se pode menosprezar as obras de Sofia Coppola. Encontros e desencontros conta a história de Charlotte e Bob Harris, dois norte-americanos que estão de passagem no Japão. Porém, a ignorância cultural e a dificuldade com o idioma impedem que eles mantenham contato com a cidade de Tokyo. Os dois se encontram e, juntos, passeiam, se divertem e se tornam amigos. A trama sensível e divertida conta com a ótima combinação entre a beleza e competência de Scarlett Johansson e a simpatia e carisma de Bill Murray.

terça-feira, 2 de outubro de 2007

CD do Radiohead! Quer pagar quanto?



Lobão certamente ficará muito feliz em saber que o Radiohead deixou para os fãs decidirem qual o valor do seu novo álbum, o In Rainbows.
A boa banda britânica do porque não charmoso Thom Yorke lancará o seu sétimo CD no dia 10 de outubro, e seus fãs poderão determinar quanto vão pagar pelo download do álbum, para o incomodo geral da nação fonográfica.

Essa é uma das formas de se ter o In Rainbows, mas como de boas intenções o inferno está pelas tampas, o grupo embutiu uma outra maneira de adiquirí-lo --o que não passa de uma manobra para compensar o prejuízo que vão tomar.
O fã pode comprar o novo álbum do Radiohead, que deve seguir o padrão de qualidade da banda, por 40 libras (quase 150 reais). Mas em troca de praticamente uma mensalidade do inglês no CNA, o investidor levará um CD adicional com 8 sons inéditos, além de fotos. Sim, esse preço já inclui os gastos com a Fedex.

Veja bem, eles driblaram a indústria fonográfica pela lateral esquerda, mas tropeçaram na lateral direita. Por um lado, podemos escolher quanto queremos pagar, uma vez que temos programas que baixam essas músicas de graça. Por outro, desembolsamos 150 reais para adquirir um Kit Radiohead.

Mas, como é raro presenciarmos tais gestos genorososo como esses no meio artístico/comercial, devemos reconhecer que os rapazes tiveram a sacada em diversificar desse jeito.

Enfim, diversifique também e ouça In Rainbows do Radiohead.

segunda-feira, 1 de outubro de 2007

Mero detalhe

A noite de sábado estava fria, mas cervejas e muito bom humor sempre ajudam a esquentar. É verdade que antes de sair, foi difícil encontrar a roupa ideal, que combinasse com a ocasião. Mas qual era a ocasião? Era esse o problema. Não sabíamos pra onde íamos. Só estava decidido que estaríamos na casa de um amigo, às 20h.

Estávamos 24 minutos atrasados, mas não foi motivo de alarde. Até porque, a noite prometia, mas a gente não sabia. Pensando no que fazer decidimos ficar em casa, tomar cerveja (apesar do frio) e ouvir música. O tempo foi passando e a gente nem percebia. Sabe quando você ri e não sabe por que, e nem entende como ficou 15 minutos assistindo uma briga de dinossauros? Pois é. E mesmo assim, é divertido.
Depois de muitas fotos e confissões, resolvemos que era hora de ir. Eram 3h da manhã e estava ainda mais frio. Já estava pensando como seria a próxima “reunião”. Se seria melhor ou igual. Se teria cerveja ou tequila. O que importava pra mim é que fosse com aquelas pessoas. No fim, os 24 minutos de atraso foram mais que compensados. E eu confirmei mais uma vez que é preciso valorizar os pequenos detalhes e curtir os momentos com intensidade.
“Bem que mamãe disse...”

sexta-feira, 28 de setembro de 2007

Fiel torcida

Não precisa ser corinthiano - nem fanático - pra saber que, há tempos o alvinegro não é mais o mesmo. A situação atual do time até parece uma reprise do que aconteceu na mesma época do ano passado: uma equipe desmotivada na zona de rebaixamento. No Brasileirão 2007, a campanha é crítica: de 27 jogos disputados, o Corinthians coleciona oito vitórias, nove empates e 10 derrotas. É de fazer qualquer torcedor alvinegro sofrer.

É verdade que os jogadores já desistiram de chegar no topo da tabela, brigar por uma vaga na Libertadores e até mesmo a Sul-Americana está fora de questão. A briga agora é pra continuar na primeira divisão. E já que Carpegiani não deu conta do recado – ninguém diz que é uma tarefa fácil -, chegou ao Parque São Jorge um velho conhecido dos corinthianos, Nelsinho Batista. O técnico já passou pelo time três vezes e foi cogitado para voltar há um ano atrás, quando Leão acabou assumindo o trono. A retrospectiva de estréia de Nelsinho pelo Corinthians é boa e Finazzi espera resultado imediato com o novo comandante. O primeiro jogo acontece no sábado contra o Sport, 10º colocado na tabela.

Agora, é a vez dos corinthianos acreditarem no time. Apoio e confiança são elementos importantes para quem está em campo. Então, torcedores alvinegros, saiam da toca: sábado, dia 29 de setembro, no Pacaembu às 18h10.

quinta-feira, 27 de setembro de 2007

Diversifique, vote Oscar Maroni (Bahamas) para prefeito!



É fato que ainda não estamos pensando em qual candidato escolher para a prefeitura de São Paulo em 2008. Mas já podemos nos acostumar com a possível idéia de ver o empresário Oscar Maroni, dono do Bahamas, pedindo voto no horário político (faz me rir) da TV.
Tentemos imaginar como será suas propagandas políticas: poderiam colocar uma bela garota com o número e partido de Maroni estampado em cada poupa de seu bumbum enxuto. Melhor ainda, imagine comícios dentro das instalações do Bahamas.
Como será que Maroni comprará votos?
Bem essas e outras perguntas surgirão em nosso ilimitado e sujo imaginário, mas temos que guardar um pouco da nossa imaginação para vislumbrar a campanha do deputado Clodovil Hernandez, recém-filiado ao PR. Sim, Clodovil tem planos de se tornar um pré-candidato para as eleições à Prefeitura. Com a sua peculiar saliência, Clô determinou que "se essa mulher (Marta Suplicy) se candidatar novamente", ele irá entrar na disputa sim.
Já Maroni não se preocupa com essas rixas entre sexólogas e frustrados sexuais, ele quer mesmo é transformar a cidade numa "Empresa São Paulo", palavras dele reproduzidas pela Mônica Bergamo na Folha de terça-feira.
Como já é de costuma, teremos um período de eleições que será no mínimo engraçado. Enfim, já viramos piada mesmo e já que estamos no inferno, vamos abraçar o capeta.

DICAS...

Cine sofá:
Quatro Irmãos (Four Brothers - 2005) - Quatro irmãos adotivos se reencontram para se vingar do assassino de sua mãe. O filme é uma leitura fiel da realidade violenta de Detroit. A trilha sonora é belíssima, vai de Jackson Five a Temptations. Filme com Mark Whalberg e Tyrese Gibson. É o primeiro longa de Andre Benjamin, vocalista do OutKast.
Roubando Vidas ( Taking Lives - 2004) - Angelina Jolie é uma agente especial do FBI enviada a Montreal, Canadá, para descobrir a indentidade de um serial killer que rouba vidas no real sentido da expressão. Parece bobo no começo, mas o desenrolar do filme é bom.

Juliana canta:
Na peça "Os Produtores", Juliana Paes irá mostrar algo que poucos conhecem, sua voz. Sim, a simpática atriz canta, e muito bem, ao lado de Miguel Falabella e Vladimir Brichta numa adaptação de um dos mais famosos musicais da Brodway. O Tom Brasil se preparou para armar um estrutura com 10 cenários diferentes, 350 figurinos, 60 perucas e uma orquestra de 11 músicos.
Sextas às 21h30
Sábados às 17h e às 22h
Domingos às 18h
Grana: ingressos entre 90 e 200 reais (estudante paga meia)

quarta-feira, 26 de setembro de 2007

A longo prazo

Até parece que o mundo cinematográfico adora deixar os cinéfilos de plantão loucos de curiosidade. Só para 2008 e 2009, já foram anunciados alguns lançamentos:

• Depois de seis anos de sucesso, a série “Sex and the city” vai ganhar espaço nas telas de cinema. As filmagens já estão acontecendo em Nova Iorque e o longa segue a mesma linha da série contando as desventuras amorosas das quatro amigas inseparáveis. Os detalhes ainda são poucos, mas tudo indica que Mr. Big finalmente irá levar Carrie ao altar. “Sex and the city” está com estréia prevista para maio de 2008.

• Para os mais culturetes, Fernando Meirelles traz a versão cinematográfica de “Ensaio sobre a Cegueira”, do vencedor do prêmio Nobel de Literatura José Saramago. Com o nome de “Blindness”, o novo projeto conta com a participação de um elenco recheado de estrelas: Mark Ruffalo, a brasileira Alice Braga, Gael García Bernal, Sandra Oh e Julianne Moore. As gravações já passaram pelo Canadá e Uruguai e essa semana estão acontecendo em São Paulo. Porém os fãs de Saramago e Meirelles terão de esperar, pois a estréia está prevista para o segundo semestre de 2008.

• Depois de finalizar as filmagens de “Indiana Jones 4”, Steven Spielberg vai se dedicar a um novo projeto: a versão cinematográfica da biografia do ex-presidente norte-americano Abraham Lincoln. Baseado no livro “The uniter: the genius of Abraham Lincoln”, de Doris Kearns Goodwin, o novo projeto conta com Liam Neeson na pele de Lincoln, repetindo a parceria com Spielberg em “A lista de Schindler”, e Sally Field no papel da primeira dama Mary Todd Lincoln. Os planos são para que o filme fique pronto apenas em 2009, a tempo de comemorar o bicentenário do ex-presidente.

Tudo indica que esperar para ver vai valer à pena. Mas por enquanto, o jeito é passar o tempo com outros filmes que já estão em cartaz no cinema.

terça-feira, 25 de setembro de 2007

O negrão Marvin Gaye!



Vá além dos limites que a música black da FM lhe oferece e ouça o verdadeiro canto negro. Há muito mais belas harmonias e batidas do que você imagina.
Troque o "nobody wanna see us together" (Akon) pela bela canção "Inner City Blues" do deus negro Marvin Gaye.
Sim, o homem foi uma fera, e suas habilidades de ritmo, voz e "ohh my dear" não cabem na "Sexual Healing". Essa é uma das músicas mais famosas do negão, mas há outras de igual quilate ou mais.

"Inner city blues" é um dos mais brilhantes trabalhos do "nigger" no álbum What's going on. A música, também conhecida como "Make me wanna holler", é um grito e um tapa na cara do governo norte-americano sobre a realidade dos negros nos anos 60/70. A faixa e o álbum trazem temas como a exclusão social, as incoerências do governo norte-americano. Enfim, a já conhecida discussão sobre o descaso norte-americano com os bairros negros, que já vem sido menos colocada em pauta uma vez que ser rapper está na moda e todo mundo gosta. Mas nem sempre foi assim, os Black Panthers que o diga.
Mas o trabalho não vale a pena somente pelas letras densas, mas também pelo piano, pelos metais, pela voz de Marvin e pelo excelente casamento entre ritmo e melodia.

Marvin é o amor e o protesto num só. Suas desastrosas experiências amorosas lhe renderam belíssimos trabalhos como o “Here My Dear” (1978), álbum sobre o fim do seu casamento. Ele é o pai de Michael Jackson e o avô do Ney-o. Com certeza, artistas como esses dois se inspiram nele.
Por outro lado, suas músicas de crítica ao governo elitista dos Estados Unidos com certeza fizeram a cabeça do poeta Tupac Shakur.

Ouvir Marvin é aprender o que é realmente a música negra norte-americana.

segunda-feira, 24 de setembro de 2007

Saudade

Sempre que tocava aquela música ou surgia aquele assunto, lágrimas transbordavam dos olhos da minha mãe. Eu não entendia muito bem por que, afinal fazia mais de 20 anos que o dityan (Avô em japonês) havia partido. Mas ela sempre dizia:
- Não importa quanto tempo passe, a saudade não tem fim.
Nunca duvidei nem achei exagero. Mas era difícil entender.

Mas no último sábado, no casamento do meu primo, descobri que é verdade. Quanto mais o tempo passa, mais a saudade aumenta. É uma dor que não dói de verdade. É o tipo da coisa que quando menos você espera, ela aparece e te derruba. A família estava reunida, a festa estava bonita e todo mundo estava feliz. Mas existia ali um vazio. O lugar onde ela deveria estar e não estava. Quando a foto dela apareceu no telão acompanhada da palavra “Saudades”, eu percebi que é exatamente isso que eu sinto e, realmente, não importa quanto tempo passe, esse tipo de sentimento nunca cessa. Dos meus olhos, transbordaram lágrimas, iguais àquelas que eu via nos olhos dela. E então, eu entendi: sempre achei que não seria nada sem minha mãe. Hoje, sei que na ausência dela eu sou tudo. Tudo que ela me ensinou e mostrou.
“Bem que mamãe disse...”

sexta-feira, 21 de setembro de 2007

Le Parkour: do clipe da Madonna para o Sesc Paulista




Se você já assistiu ao clip da música Jump, da Madonna, você já deve ter se questionado se aqueles saltos e piruetas em plena selva de pedra são mesmo verdade. Eis a resposta: sim, é possível saltar muros com tamanha leveza que dá a impressão de estar pulando na sua própria cama.
Para não deixar dúvidas, a prefeitura da linda São Paulo dará algumas as aulas sobre essa modalidade totalmente urbana chamada Le Parkour. Sim, se você quiser aprender a saltar pela cidade em dias de chuva, vá ao Sesc Paulista a partir dás 14h e aprenda com os traceurs (praticantes) do Le Parkour Brasil as técnicas para ultrapassar uns obstáculos leves de cidade grande.

Lembre-se, não vai achar que você pode ser com um daqueles rapazes que aparecem no clip da Madonna. Eles fazem coisas que só sendo um mutante da liga dos X-Men pra fazer.


Ou se preferir, saia da toca para ir ao cinema assistir:

Nunca é tarde para amar - Michelle Pfeifer volta para viver uma produtora de TV separada e quarentona que se apaixona por um homem bem mais enquanto sua filha adolescente se empenha para conquistar seu primeiro amor.
Elenco: Michelle Pfeifer, Paul Rudd, Fred Willard e Tracey Ullman

Rogue, o assassino - Agente do FBI quer sangrar um serial killer, Rogue, que assassinou seu parceiro. A caça ganha corpo com uma guerra entre mafiosos da Yakuza como pano de fundo.
Elenco: Jet Li, Jason Statham, John Lone, Devon Aoki e Luiz Gusmán

Bem-vindo a São Paulo - Um cozidão de 17 curtas produzidos desde 2004 por cineastas internacionais que mostram sua leitura de São Paulo. Dos 17 filmes, 13 registram olhares estrangeiros.
Narração: Caetano Veloso

quinta-feira, 20 de setembro de 2007

So january...

“Love me, love me, say that you love me” – Quase todo mundo já deve ter cantado esse refrão pelo menos uma vez. Lovefool, dos Cardigans, é uma das maiores músicas de sucesso da banda. No entanto, os suecos têm muito mais para mostrar. O segundo álbum da banda, Life, traz canções de melodias suaves e um quê de nostalgia, como Carnival e a romântica Beautiful one. Já Gran Turismo, o quinto trabalho, conta com a autoritária Erase/Rewind e outro dos grandes sucessos dos Cardigans, My Favourite game. Os últimos trabalhos trazem canções com batidas um pouco mais pesadas amenizadas pela doce voz da vocalista Nina Persson. Dos dois álbuns mais recentes, merecem destaque as músicas And then you kissed me I e II. As duas canções têm melodias parecidas e são entoadas da mesma forma. As letras se completam formando uma pequena história. Agora, basta esperar para ver se a “história” terá continuação em um próximo álbum dos Cardigans.

Top Ten

1. And then you kissed me
2. And then you kissed me II
3. Erase/Rewind
4. Live and learn
5. Carnival
6. I need some fine wine and you, you need to be nicer
7. For what it’s worth
8. Beautiful one
9. My favourite game
10. Lovefool